Dicas

Pesquisa de Imóveis

Pesquisa por código

Dezembro/18 Mercado imobiliário no estado do RJ em 2018

O mercado imobiliário brasileiro passou por muitas mudanças nos últimos anos. E depois de um cenário bastante favorável, após a recuperação da crise mundial de 2008, o setor vive atualmente um momento desafiador. Se no começo desta década o crédito facilitado impulsionou a construção civil e a venda de imóveis, a crise brasileira iniciada em meados de 2014, por outro lado, fez o mercado imobiliário desacelerar. Com poucos lançamentos, estoques em alta e menos crédito disponível, os preços dos imóveis caíram significativamente. 

Depois da melhora na economia nacional, o mercado imobiliário fluminense ainda está tímido, refletindo, principalmente, na queda do valor dos imóveis. Esse comportamento pode parecer bastante interessante para quem pretende investir a longo prazo, mas exige cautela. 

Queda de preços

O preço médio de dos imóveis no Rio vem caindo desde janeiro de 2017 e já acumulou uma queda de 3,8%. Só em janeiro, a retração foi de 0.4% nos preços para venda em comparação ao mês anterior. Para o aluguel a tendência de queda foi a mesma, registrando uma queda de cerca de 8% nos últimos doze meses.

Tal movimento é justificado, sobretudo, pelos efeitos crise econômica que ainda não foram totalmente superados pela população, em especial pelas classes D, C e E. Isso gera um aumento da oferta em relação à demanda, causando contração dos valores na hora de precificar cada imóvel.

Desde 2013, as vendas têm caído em até 60% e no ano passado, a queda foi de cerca de 30%. Um ciclo vai começar com a reaquecimento da economia brasileira. Em São Paulo, a melhora já tem sido vista desde 2017. Mas no Rio, a expectativa do setor é de que esse movimento aconteça apenas em 2019. 

Para tentar melhorar esse panorama e reduzir a alta oferta, as incorporadoras estão adotando estratégias de venda agressivas, com descontos progressivos, mobília por conta da empresa e até mesmo carro de prêmio para quem fechar negócio. Visão de longo prazo pode ser um bom caminho nesse momento para pensar em investir no imóvel próprio. Esse cenário de queda dos preços é tentador para quem pensa em comprar!


As melhores opções para venda e locação em todo Estado do Rio


Maio/2018

Prezado sr(a).


Na Advocato Administradora de Imóveis, estamos sempre atentos para encaminhar aos nossos clientes, as sugestões que, ao nosso juízo, poderão somar aos seus interesses de momento.

Temos acompanhado as respostas das pessoas que nos procuram para locação em Itaipava e em todo Estado do Rio. Estas pessoas são em número cada vez maior. Dispomos de departamento de locação, com profissionais especializados para garantir a locação de seu imóvel da forma mais simples e segura possível. Observam-se muitos imóveis que estão sendo oferecidos para venda no mercado e oportunamente dispomos de clientes interessados em locação com perfil que se encaixa nestes imóveis.

Acreditamos que esta seria uma oportunidade do sr(a) obter um rendimento pela locação e somar uma rentabilidade mensal interessante.

Caso o sr.(a) precise de mais detalhes sobre o nosso trabalho, favor fazer contato em nosso telefone (24) 2222 – 4795 ou no e-mail advocatoadm@gmail.com.


Imóveis de alto padrão

ABRIL/2018


A Advocato Administradora de Imóveis  tem como foco prestar consultoria especializada na intermediação de vendas e locação de imóveis residenciais e comerciais. Nosso objetivo é identificar as necessidades e desejos dos clientes, para buscar as melhores opções. Dispomos também de imóveis de alto padrão seja para venda ou locação.


Mercado imobiliário acompanha tendência de fuga dos cariocas

Setembro 2017

                    

Mercado imobiliário acompanha tendência de fuga dos cariocas

   


Busca por mais qualidade de vida e medo da violência fazem moradores trocarem o Rio pelas regiões Serrana e dos Lagos
 

<b>POR ANA CAROLINA DINIZ</b>


RIO - "Não vendemos apartamento, mas anos de vida”, diz Ciro Eloy, fundador e CEO do Granja Brasil, resort em Itaipava que reúne casas, residências, apart-hotéis e lojas. Nos últimos anos, Eloy viu crescer o número de cariocas que absorveram seu lema de ter o bem-estar como prioridade, substituindo assim a caótica rotina urbana por um dia tranquilo. Se no início do ano 2000, quando o empreendimento entrou em funcionamento, apenas 30% do frequentadores compravam um imóvel no local para primeira moradia, este número explodiu nos últimos anos: agora 70% das 1.500 famílias são moradoras dos 15 prédios do local

— Eles compravam a unidade para usar como veraneio e viam que aqui tinham mais segurança e uma qualidade de vida melhor e que as crianças podiam sair sozinhas.  Assim, acabaram invertendo a lógica e transformaram o temporário em lar permanente — lembra Eloy.

Assim como o Granja Brasil, outras empresas do mercado imobiliário perceberam este comportamento de “fuga”, voltando os olhos para cidades como Petrópolis, Araras e Maricá. O foco é o público insatisfeito com a capital e que é atraído por preços mais baixos do que os praticados no Rio, mas com direito a uma forte estrutura de lazer e serviços.

— Um imóvel de 60m² na Zona Sul custa em média R$ 15 a 20 mil o metro quadrado, enquanto um imóvel de 150m² na Granja sai por R$ 9 mil o metro quadrado com todo conforto — afirma Eloy.

Os condomínios-clubes são a preferência de 90% dos cariocas que escolhem uma residência na Serra. Segundo a gerente da imobiliária Judice & Araujo, Denise Brisson, isto ocorre porque os “fugitivos” têm uma grande preocupação com a criminalidade.

— O Rio está cada vez mais complicado e as pessoas querem um lugar tranquilo para viver. Na região de Itaipava, Araras e Nogueira não temos esta questão da violência urbana. É mais calmo. O centro do Petrópolis tem mais o ritmo de cidade grande, com ótimos colégios e mais praticidade em termos de logística — explica.

As construtoras locais e do Rio, como a João Fortes, começaram, a partir de 2014, a investir em empreendimentos mais voltados para a classe média carioca, com apartamentos de três quartos. — Ainda há ainda unidades disponíveis para venda, mas o mercado voltando ao normal, serão vendidas rapidamente. É possível notar este crescimento de interesse só observando o estacionamento da rodoviária de Petrópolis, lotado de carros dos trabalhadores que deixam seu automóveis lá para ir ao Rio diariamente— afirma José Roberto Sauer, representante do Secovi Rio na Regional  Serra Imperial e morador da região há doze anos.

Após fazer os lançamentos na Estrada União Indústria, a STR Engenharia prevê investir em outros prédios na região voltados para a classe média alta. Os dois primeiros, de 96 e 48 unidades, venderam rapidamente. Num primeiro momento, como morada de final de semana. Mas já há um bom fluxo de cariocas desembarcando por lá.

— Os apartamentos de dois quartos custam R$ 440 mil. Já a taxa de condomínio fica, em média, em R$ 400. Em que lugar do Rio é possível encontrar um preço assim? — questiona Lucas Viegas, gerente comercial da incorporadora.

O empresário Gustavo Machado trocou a agitação do Rio pelos cantos dos passarinhos em Itaipava. Há um ano, depois de muitos testes, se mudou definitivamente com a mulher e as filhas para o Granja Brasil. E não se arrepende em nenhum momento. Antigo morador da Urca, ele diz que a falta de segurança em terras cariocas foi o principal propulsor para a mudança.

— As crianças têm uma vida muito mais tranquila. Há uma escola, centro gastronômico e comercial no condomínio. Não precisamos sair para nada — diz ele, que trabalha online e desce ao Rio a cada 15 dias.


À ESPERA DA NOVA SUBIDA

O aumento do investimento das construtoras na Região Serrana se deu com o início da construção da nova subida da estrada BR-040, que irá reduzir o tempo de viagem de 1h para 25 minutos. Segundo Rubem Vasconcelos, presidente da Patrimóvel, o mercado conseguiu se antecipar ao interesse dos compradores do Rio e fez lançamentos expressivos na área. No entanto, a obra não tem previsão de inauguração.

— Com a estrada, Itaipava será um novo bairro do Rio, mas com paz e tranquilidade. É nisso que o mercado acredita — considera ele.

Mesmo sem esta facilidade no deslocamento, o casal Fábio Correa Rosa, de 51 anos, e Joice Rosa, de 53 anos, não vê a hora de mudar definitivamente da capital. A cordialidade de uma cidade menor é citada por eles, que chamam o apartamento que tem na Serra como “paraíso”.

— Todo mundo se trata bem e se conhece pelo nome, é uma diferença brutal para o Rio, onde as pessoas mal se cumprimentam — conta ele.

Na Região dos Lagos, os empreendimentos com infraestrutura completa também são sucesso de venda entre os moradores do Rio. O vice-presidente de Operações da Brasil Brokers no Rio, Bruno Serpa Pinto, conta que 14% dos clientes da imobiliária que compram terrenos em Maricá são da capital e, grande parte, para primeira moradia.

— As construtoras e incorporadoras começaram a investir nas pequenas cidades serranas e da Região dos Lagos com um viés de veraneio num primeiro momento. E, com o passar dos anos, esta fuga da cidade grande passou a ser realidade. O ritmo que a capital imprime e os problemas de mobilidade e segurança levam as pessoas a repensarem a sua vida. Ainda é uma minoria, mas é um movimento — afirma ele.

Em sua opinião, trabalhadores do Centro do Rio começam a ver os benefícios de viver fora da capital, especialmente no tempo gasto no trânsito.

— Ele tem mais qualidade de vida ao morar em Maricá do que se residir na Barra. O acesso de ir e vir é mais tranquilo. Em uma hora ele chega em casa — diz Serpa, que lembra que cidades como Cabo Frio e Arraial do Cabo  também estão na rota de fuga dos que não suportam mais a cidade grande.

Em Maricá, o mercado imobiliário se desenvolveu de forma verticalizada, ou seja, grandes condomínios de casas com foco na área de lazer, mas por um preço mais acessível.

— É um alto padrão do ponto de vista de estrutura, mas não é um preço de alto padrão. O Jardim Ubá Maricá tem 200 lotes com mais de 12 mil metros de área de lazer (quadra de tênis, clube e parque aquático). Com R$ 160 mil é possível comprar um lote. O Alphaville também investiu na cidade com dois empreendimentos, com preço bem mais em conta do que na Barra, por exemplo— lembra ele.

No mercado de luxo há aumento de procura por casas e fazendas em todo estado. De acordo com José D'Orey, consultor especialista da regional da Bossa Nova Sotheby’s, imobiliária voltada para este público, a troca de cidades tem aumentado em um ritmo constante, porém não acelerado.

— Temos diversas opções a partir de R$1,5 milhão em diferentes estilos e localidades. Você pode optar por uma fazenda em ambiente rural do ciclo do café, completamente reformada ou por uma casa com linhas contemporâneas em um condomínio. No Centro de Petrópolis encontram-se edifícios e também casarões históricos centenários. E esses imóveis costumam ser bem mais em conta que os imóveis de Itaipava, Araras e distritos próximos — explica.

Fonte: O Globo 01/2017

AGOSTO/2016 - COMPRAR IMÓVEIS NA PLANTA

Comprar imóvel na planta

A maioria dos consumidores é atraída pela compra diretamente na planta, porque de fato ela oferece diversos benefícios, inclusive financeiros. 

De acordo com o presidente da Amspa, Marco Aurélio Luz, a economia pode chegar a 30% em relação ao mesmo empreendimento pronto.

A aquisição na planta também proporciona menos burocracia para tirar a documentação, tempo para planejar a mudança, possibilidade de personalizar o imóvel, além da valorização do bem, após o término da construção.

Veja a seguir mais detalhes para realizar a compra do imóvel com Segurança: 

Antes da Assinatura do Contrato - Faça uma planilha com os gastos da família para saber se dá para arcar com um financiamento imobiliário. Calcule os custos do condomínio e para mobiliar a casa. Faça um levantamento sobre a construtora. Pesquise sobre o local: ele está valorizado? Tem transporte fácil, hospital, escola e comércio? Como é o trânsito em horários de pico?

Prazo de Entrega e Qualidade da Obra - Peça ao corretor que apresente três empreendimentos concluídos pela construtora um ano após a entrega da obra. E converse com moradores desses empreendimentos, perguntando se o imóvel foi entregue no prazo, se os materiais têm qualidade, se a empresa cumpriu o que foi contratado, etc.

Aumento das Parcelas - Vale destacar que, durante a construção, haverá, sim, correção das parcelas, com base no INCC (Índice Nacional da Construção Civil), no entanto, é proibido cobrar juros antes da entrega das chaves. 

Para a prestação não aumentar acima da sua capacidade financeira, faça uma projeção da primeira à última parcela, para financiamento direto com a construtora, e um simulado, se repassado para o banco. Não deixe o valor da parcela comprometer mais de 30% da renda familiar.

Evite o pagamento à vista - Por mais que você tenha feito o levantamento sobre a construtora, poderá surgir algum imprevisto. Por isso, não é aconselhável gastar o dinheiro que você tem guardado. A dica é dar uma entrada de 10% e ajustar as intermediárias em valores não superiores ao 13º salário.

Quitar o Financiamento - O melhor momento para fazê-lo é na hora da conclusão da obra, quando o empreiteiro terá mais gastos e, com uma boa conversa, é possível ganhar um ótimo desconto. Aproveite para usar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) após a entrega das chaves, deixando um valor mínimo para financiar. Afinal, quanto maior o tempo e o valor financiado, mais juros você pagará.

Despesas - Saiba que a comissão do corretor deve ser paga pela construtora, não aceite pagar nenhum valor separado do contrato. Porém, quem acerta a despesa do cartório, o ITBI (Imposto sobre Transações Imobiliárias) e a escritura é o comprador.

Contrato - Antes do contrato, formalize uma proposta com tudo o que foi conversado e prometido. Já no documento final, não devem faltar: data de entrega da obra; multa pelo atraso da entrega (deve ser, no mínimo, de 2% mais juro de mora, que é igual ao cobrado em caso de atraso do pagamento do mutuário); se há aprovação de financiamento em algum banco e quais as condições para consegui-lo; formas de pagamento e suas correções; metragens (principalmente, do pé direito do imóvel).

Perguntas e Respostas sobre a Compra de Imóveis em Lançamentos.

01- O que é um lançamento imobiliário?

É a abertura de vendas de um empreendimento imobiliário após o seu Registro de Incorporação. O início das vendas é acompanhado de eventos e ações promocionais.

02 – Qual a vantagem de se comprar um imóvel no seu lançamento?

Quando você compra um imóvel no lançamento, pode escolher a unidade mais adequada à sua preferência, além de encontrar as melhores condições de preço e formas de pagamento, nesta fase.

03 – O que significa comprar um imóvel na planta?

Significa comprar um imóvel quando ele está sendo lançado, ou seja, o imóvel não se encontra pronto. Ele será construído e, após um prazo que varia entre 18 a 36 meses, dependendo do tipo do imóvel, será entregue pela Incorporadora ao proprietário. É um bem de entrega futura.

04 – Que cuidados deve-se tomar para comprar um imóvel na planta?

Verifique se realmente o imóvel escolhido atende as suas necessidades quanto ao tamanho, localização, infra estrutura oferecida e a sua planta.

Planeje seu futuro e analise se o valor e a forma de pagamento deste imóvel se encaixam na sua capacidade de pagamento. Verifique se o projeto do empreendimento encontra-se aprovado e o seu Memorial de Incorporação registrado. Pesquise se a Incorporadora e Construtoras são saudáveis e possuem credibilidade.

05 – Como sei se devo confiar numa Incorporadora?

Obtenha informações sobre a tradição desta Incorporadora, verificando:

* Há quanto tempo ela trabalha no mercado.
* Quantos empreendimentos ela entregou.
* Padrão de qualidade de seus produtos e a pontualidade na entrega dos seus imóveis.

06 – Como posso obter informações adicionais sobre uma Incorporadora?

Hoje em dia, muitas Incorporadoras têm capital aberto na Bolsa de Valores. Por esse motivo, devem divulgar seus resultados trimestralmente. Você deve encontrar o balanço destas empresas nos seus respectivos sites.

Outra forma, seria verificar se as obras em andamento da Incorporadora contam com financiamento bancário para suprir as despesas de construção.
Além de o próprio financiamento ser uma garantia de que a obra será entregue, os bancos só o concedem às empresas com boa ?saúde financeira?.

07 – A responsabilidade de entrega do imóvel é da Incorporadora ou da Construtora?

Ainda que a Incorporadora possa contratar uma Construtora para a execução das obras, a obrigação para entregar a unidade autônoma cabe sempre a Incorporadora, que assume essa responsabilidade pelo exercício de sua atividade, que é prometer entregar as unidades autônomas em contrapartida do recebimento de preço certo e ajustado.

08 – O que encontro em um estande de vendas?

O estande de vendas é usualmente construído no local onde será erguido um empreendimento imobiliário. Nele, encontram-se expostos a maquete do projeto, plantas e imagens dos apartamentos e das áreas comuns, bem como, na maioria das vezes, o apartamento modelo decorado. No estande encontram-se também os corretores de imóveis treinados para apresentar o empreendimento.

09 – Para que serve o apartamento modelo decorado?

Ele tem a finalidade de mostrar em escala real as características da planta do apartamento, apresentando também uma sugestão de decoração.

10 – O que é um imóvel na planta?

É o imóvel comercializado durante a fase de lançamento, ou seja, antes do início da construção.

11- O que é um memorial de acabamento?

É a relação dos materiais de acabamento que serão utilizados na construção do imóvel.

Esse memorial deve ser apresentado e rubricado pelo comprador no ato da compra do imóvel.

12 – O que é área privativa?

É a área de um imóvel, medida em metros quadrados, de uso exclusivo de seu proprietário, ou seja, a área interna dos apartamentos delimitada pela superfície externa das paredes.

13 – O que é área comum?

É a área que pode ser utilizada por todos os moradores de um condomínio. Como exemplo temos o salão de festas, lobby de entrada, piscina, entre outros.

14 – Quando as áreas comuns são entregues equipadas e decoradas. Qual a vantagem disto?

Alguns empreendimentos são entregues com as áreas comuns equipadas. Esse procedimento é vantajoso, pois se evita que, logo nos primeiros meses após a instalação do condomínio, os moradores tenham que arcar com despesas adicionais para realizar estes serviços.

15 – O que é Corretagem Imobiliária?

É a comissão paga ao corretor de imóveis pelos serviços de intermediação imobiliária.

16 – Para quem devo pagar o valor da corretagem?

A corretagem deve ser paga à Imobiliária ou ao Corretor de Imóveis que tenha realizado a intermediação da aquisição do seu imóvel. Tal comissão somente será devida à Imobiliária ou ao Corretor se a compra do imóvel for concretizada, isto é, após a assinatura do contrato de compromisso de compra e venda.

17 – O que é Incorporação Imobiliária?

Ato de empreender um projeto imobiliário. É o meio pelo qual alguém, pessoa física ou jurídica, se compromete a construir um edifício, ou conjunto deles, com diversas unidades autônomas, sendo-lhe permitido comercializar as unidades que o comporão, antes ou durante a fase de construção do empreendimento.

Para que a Incorporação Imobiliária produza os efeitos e permita a venda da unidades imobiliárias autônomas, é necessário o seu registro no Ofício de Registro de Imóveis competente, que inclusive dá segurança ao adquirente quanto a condição técnica e idoneidade do incorporador, à legitimidade do projeto, às características e metragem do imóvel, bem como as regras de convivência em condomínio.

É o processo que permite a comercialização legal de um empreendimento que ainda se encontra na planta.

18 – Qual lei rege as Incorporações Imobiliárias?

É a Lei Federal nº 4.591 de 1964 que dispõe sobre as Incorporações Imobiliárias.

19 – O que é um memorial de Incorporação?

É o documento jurídico que explica o objeto da incorporação, detalhando suas áreas privativas e comuns, forma de utilização, características e dados do empreendimento e de seu projeto, informações e documentos da incorporadora e todos os demais requisitos legais exigidos, detalhados no artigo 32 da lei 4.591/64, entre outros. Tal documento deve ser arquivado no Cartório de Registro de Imóveis.

20 – Por que é essencial o registro da Incorporação Imobiliária para venda de unidades ainda não construídas?

A lei brasileira determina que o incorporador somente poderá negociar unidades autônomas em edifícios em construção ou a construir após o registro do Memorial de Incorporação.

A razão de tal exigência está no fato de a incorporação pressupor a aprovação do projeto de construção, a regularidade documental da propriedade e a regularidade da situação documental do incorporador, o que se traduz em segurança jurídica ao adquirente de coisa futura.

21 – Que documentos devo verificar antes de assinar um contrato?

É importante verificar se o imóvel encontra-se com o projeto devidamente aprovado e com o alvará emitido pela respectiva Prefeitura municipal.

Também é fundamental que se verifique a certidão de matrícula do imóvel, onde deve constar que a sua Incorporação Imobiliária está devidamente registrada. Vale verificar também a minuta da convenção de condomínio arquivada no registro do Memorial de Incorporação, em que constam as futuras regras condominiais.

22 - Quando vendo um imóvel a que tributação estou sujeito?

Quando se vende um imóvel com lucro, ou seja, quando o valor da venda for maior que o valor da compra, existe a incidência de 15% de tributação sobre a diferença (ganho de capital). Esse imposto deve ser pago através de DARF. Existe isenção de imposto caso o imóvel tenha valor inferior a R$ 440 mil, seja o único bem do contribuinte e o mesmo não tenha vendido nenhum imóvel nos últimos 5 anos. Existem outras regras específicas que podem ser consultadas no regulamento do Imposto de Renda da Recita Federal.

23 – O que é Tabela Price ?

É um sistema de financiamento em que as parcelas são iguais, sendo a amortização declinante e os juros crescentes. Também conhecido como Sistema Francês de Amortização.

24 – O que é sistema SAC ?

É o sistema de financiamento em que as prestações são decrescentes, com amortização constante e juros decrescentes.

25 – O que é índice de correção?

É um índice pactuado em contrato para atualização monetária dos valores envolvidos no mesmo.

26 – O que é INCC ?

Elaborado pela Fundação Getulio Vagas, o Índice Nacional de Custo da Construção afere a evolução dos custos de construções habitacionais. É usualmente utilizado para correção de aquisição de imóveis, aplicado durante o período de construção.

27 – O que é IGP-M ?

Calculado pela Fundação Getulio Vargas, o Índice Geral de Preços é divulgado no final de cada mês. É utilizado para a correção dos contratos de aquisição de imóveis, aplicado sobre as parcelas com vencimento após as entrega da chaves do imóvel em contratos que prevêem pagamentos diretamente a construtora.

28 – O que é TR ?

É a Taxa Referencial de Juros utilizada para a correção da Caderneta de Poupança.

É também utilizada na correção das parcelas de pagamento de imóveis adquiridos por financiamento bancário nas parcelas pós-chaves.

29 – Qual o índice de correção normalmente utilizado na aquisição de um imóvel na planta ?

Quando se compra um imóvel com financiamento provido diretamente pela Incorporadora, na maioria dos casos, se utiliza como índice de correção das prestações o INCC durante o período da construção.

Após isso, o índice de reajuste passa a ser o IGP-M, acrescendo-se 12% ao ano, sistema Price. Quando se compra um imóvel com financiamento bancário, adota-se, usualmente o INCC durante o período de construção. Depois disso, e devido repasse de financiamento ao Banco Financiador, o índice de reajuste passa a ser a TR, acrescida de uma taxa de financiamento previamente estabelecida pelo mesmo.

30 – Qual a melhor forma de pagamento de um imóvel ?

A melhor forma depende exclusivamente de sua receita. Deve-se analisar qual fluxo de pagamento melhor se adapta à sua renda familiar. Hoje, existem vários financiamentos junto a instituições financeiras com prazo de pagamento em até 30 anos e com taxas de juros muito atrativas. O importante é você pesquisar e analisar o melhor fluxo de pagamento de acordo com sua capacidade financeira.

31 – Comprar um imóvel pensando na sua aposentadoria é uma boa estratégia?

Sim. Além de utilizar o imóvel como fonte de renda, através dos aluguéis, no longo prazo, a sua valorização vem superando a inflação.

32 – O que é carência para entrega do imóvel?

Ao adquirir um imóvel na planta, você é informado sobre o prazo de conclusão da obra.
A carência é um prazo adicional, usualmente de 6 meses, utilizado caso ocorra alguma eventualidade na execução do empreendimento.

33- Quando compro um imóvel é possível modificar a planta e o acamento do mesmo?

Algumas Incorporadoras permitem que seus clientes escolham alternativas de planta e acabamentos que mais se adaptam às suas necessidades. A escolha por essas opções não precisa ser realizada no momento da compra, durante a fase de lançamentos. Usualmente estipula-se um prazo no qual o cliente pode solicitar a execução dessas modificações. As mudanças solicitadas podem acarretar custos adicionais ao comprador.

34 – O que é compromisso de venda e compra de imóvel?

É o contrato particular ou público pelo qual alguém se compromete a adquirir um imóvel de outra pessoa (física ou jurídica), que se obriga a transferi-lo após o recebimento de preço ajustado, observada as condições ali pactuadas. Com a assinatura do contrato o comprador passa a ser o titular de direitos aquisitivos do imóvel e a lei assegura direito real do comprador em fase do vendedor para exigir a efetiva transmissão do imóvel.

35 – Quais as clausulas essenciais que devem constar num contrato de compra e venda de imóvel?

São essenciais as cláusulas que disponham sobre: as características do imóvel e do empreendimento onde está inserido, preço e forma de pagamento, forma de cálculo da correção monetária, quando for o caso, incidência de juros, índice e quando de sua aplicabilidade, penalidades a que esteja sujeito o comprador na hipótese de inadimplento e atraso no pagamento do preço na forma ajustada, prazo de entrega das unidades e demais obrigações assumidas pela incorporadora.

36 – Qual a diferença entre contrato de compra e escritura definitiva?

O contrato de venda e compra é o instrumento pelo qual uma das partes se compromete a vender a outra determinado imóvel, por determinado preço e condições.

O contrato ou promessa de venda e compra, pode ser efetivado por instrumento particular, (e, nesse casso, há que observar a presença de duas testemunhas, avaliação da qualificação das partes ) ou por instrumento público (escritura de promessa de venda e compra) que, nesse caso é lavrado em Cartório de Notas, que tem fé pública. Por outro lado, a escritura definitiva de compra e venda é o instrumento pelo qual alguém transmite definitivamente um bem imóvel a outro muitas vezes em cumprimento a um contrato (promessa) previamente assinado.

A escritura definitiva de uma unidade autônoma é lavrada quando mesma está devidamente concluída, ou seja, com a averbação da construção do empreendimento junto ao Cartório de Registro de Imóveis competente.

37 – Por que há necessidade de se registrar a escritura definitiva do imóvel?

Para que se opere efetivamente a transferência da titularidade do imóvel, é necessário o registro do título de transmissão perante o competente Cartório de Registro de Imóveis, conforme determina o art. 1245 do Código Civil Brasileiro.

38 – O q ue é DIMOB e quem deve emiti-la ?

DIMOB é a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias que empresas imobiliárias, construtoras e incorporadores devem emitir para a Receita Federal, informando os detalhes das transações imobiliárias realizadas, destacando especialmente a identificação dos contratantes e do imóvel, data, valor da operação e comissão cobrada.

39 – O que é DOI e como funciona?

DOI é a Declaração sobre Operações Imobiliárias que os Cartórios devem emitir à Receita Federal para informar as operações imobiliárias anotadas, averbadas, lavradas, matriculadas ou registradas nos Cartórios de Ofício de Notas, Registro de Imóveis e de Títulos e Documentos, envolvendo bens imóveis destacando a identificação dos contratantes e o valor da operação imobiliária, para fins de apuração de eventual imposto a recolher (ganho de capital).

40 – Qual a importância de constar no contrato todas as condições contratuais e o preço efetivamente pago?

O contrato é o instrumento pelo qual estará regrada toda e qualquer obrigação assumida entre as partes, vendedor e comprador, e perdurará até a aquisição final dessas obrigações. Dessa forma, na hipótese de necessidade de qualquer questionamento futuro e, especialmente de necessidade de se submeter ao Poder Judiciário dúvidas ou conflitos a serem solucionados, o contrato celebrado será o instrumento utilizado como base dessa avaliação. Daí a importância de que todas as tratativas e acordos estejam devidamente previstos no contrato celebrado.

41 – O que é Habite-se?

O Habite-se é o auto de conclusão da obra edificada em conformidade com os projetos aprovados. O Habite-se é expedido pelo poder público municipal e autoriza a utilização do imóvel.

42 – O que é averbação da construção e quando ocorre?

Com a conclusão das obras, é necessário averbá-la junto à matrícula do imóvel (empreendimento). Isso é realizado com a apresentação, perante ao Cartório de Registro de Imóveis competente, do ? Habite-se? e da Certidão Negativa de Débitos perante o Instituto Nacional de Seguridade Social (CND_INSS).

Somente após a análise pelo Oficial Registrador, que normalmente ocorre dentro de 30 dias contados do protocolo dos referidos documentos, é efetivada a averbação da construção junto à matrícula do imóvel.

43 – O que é Alvará de Obra (Alvará de Execução)?

O Alvará de Obra é a licença para construção emitida pela municipalidade em conformidade com o projeto legal do empreendimento. A construção só pode ser iniciada com esse alvará em mãos.

44 - Quais as leis brasileiras que regem o condomínio?

As regras sobre condomínio podem ser encontradas nos artigos 1.131 a 1.358 do Código Civil (Lei n. 10.403/02) e na Lei 4.591/64, na primeira parte, nos artigos cujo conteúdo não foi alterado ou regulado pelo Código Civil.

45 – O que é Assembléia Geral de Instalação de Condomínio?

É a primeira reunião dos condomínios juntamente com a empresa que administrará o condomínio, e também com a presença da Incorporadora. É nessa reunião que, usualmente, elegem-se o síndico, o subsíndico e os conselheiros do condomínio.

46 – Quem pode ser o síndico?

O síndico pode ser qualquer morador, desde que eleito pelos condôminos, para defender os interesses dos mesmos. O síndico também pode ser terceiro, não morador, desde que devidamente contratado pelo condomínio para tal fim.

47 – O que é taxa de condomínio?

É a despesa que deve ser custeada por cada condômino, a partir das instalação do condomínio, calculada através do rateio da previsão mensal de gastos comuns no condomínio. Essa despesa é composta de despesas ordinárias (gastos mensais rotineiros) e extraordinárias, quando devidamente aprovadas em assembléia ou por determinação da administração do condomínio, quando for o caso.

48 – É possível saber qual será a taxa do condomínio do empreendimento?

Sim. Nos lançamentos de empreendimentos imobiliários, usualmente a Incorporadora, com o auxílio de um a empresa administradora de condomínios, faz uma estimativa do custo por apartamento. Vale se informar para verificar se o custo do condomínio do imóvel desejado está adequado ao seu orçamento.

49 – Quais os tipos de vagas de garagens e como identificá-los em cada caso?

As vagas de garagem podem ser áreas comuns ou unidades autônomas. As vagas comuns são indeterminadas e integrantes da área comum da unidade autônoma, cujo uso é definido pela convenção de condomínio. As vagas autônomas são independentes e não integram a área total das unidades autônomas, estando delas desvinculadas e possuindo áreas e frações ideais próprias e matrículas individualizadas, estando sujeitas a tributação de IPTU.

50 - O que é numero de contribuinte e quando ele será atribuído ao meu imóvel?

É o número de identificação fiscal do imóvel atribuído pela Prefeitura para identificação deste. Dependendo da localidade, diante da averbação da construção e especificação do condomínio, a Incorporadora, mediante requerimento, solicita à Prefeitura a abertura de inscrição fiscal de cada unidade autônoma do empreendimento, de modo que cada uma seja tributada individualmente. Todavia, essa é uma prerrogativa da municipalidade, e tal procedimento varia de uma cidade para outra.

51 – O que é Matrícula de um Imóvel?

Pode ser feita uma comparação dizendo que a Matrícula é a certidão de nascimento do imóvel. É o documento de identificação em que constam todos os seus dados, tais como, descrição, características e metragens, histórico de aquisições e vendas, dados dos antecessores e atuais proprietários, existência de ônus e gravames, identificação fiscal do imóvel, etc.

52 – O que é fração ideal de terreno?

É o percentual ou quota parte que uma unidade autônoma representa sobre o terreno em que será construído o empreendimento imobiliário.

53 – É obrigatório a contratação de seguro para eventuais danos havidos durante a execução das obras?

Sim, conforme previsto no Decreto-Lei n. 73/1966, artigo 20, é obrigatória a contratação de seguro de responsabilidade civil pelo construtor de imóveis em zonas urbanas por danos a pessoas e coisas. Tal seguro tem por finalidade cobrir possíveis danos que possam ocorrer a terceiros e à própria construtora durante a execução da obra. A contratação do referido seguro de responsabilidade civil deve ser efetivada, e os valores segurados compatíveis com o vulto do empreendimento e constar da respectiva apólice.

54 – O que é saldo devedor?

Saldo devedor é o valor restante para quitação total de um imóvel. O saldo devedor é reajustado mensalmente de acordo com os índices e juros pactuados no contrato.

55 – O que é Carta de Crédito?

É um documento concedido por uma instituição financeira ao comprador de um imóvel com o seu crédito já aprovado, esse documento pode ser utilizado para a aquisição de qualquer imóvel pronto com a averbação de sua construção realizada.

56 – O que é Alienação Fiduciária?

É o instrumento no qual se transfere um imóvel do devedor para o credor em garantia de pagamento da dívida, o devedor permanece com a posse para uso próprio do bem, quando a dívida é quitada, a propriedade é consolidada em nome do antigo devedor.

57 – O que é hipoteca?

Hipoteca é direito real de garantia que o devedor confere ao credor sobre um bem imóvel.

58 – O que é repasse bancário?

É a captação de recursos em instituição financeira para quitação do imóvel junto a construtora.

59 – Quais documentos são necessários para contratar o financiamento bancário?

A documentação pode variar de acordo com a instituição financeira. Mas são sempre solicitados documentos do vendedor, do imóvel, além dos documentos pessoais e de comprovação de renda do comprador

60 – Quais os documentos necessários para comprovar renda?

Para comprovar renda, geralmente são solicitados os três últimos holerites, informes de imposto de renda ou extratos de movimentação bancária.

61- O que é Behavior?

Behavior é a comprovação da capacidade de pagamento por meio do histórico de pagamento em dia.

62 – É possível utilizar o FGTS na compra de um imóvel?

Para utilização do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, é necessário cumprir alguns pré-requisitos dispostos na regulamentação, tais como:

* Não possuir outro imóvel, seja ele quitado ou financiado.
* Morar ou trabalhar na localidade do imóvel.
* Comprovar tempo de trabalho mínimo de 3 (três) anos sob o regime do FGTS.
* Avaliação do imóvel não superior a R$ 350.000,00.
* Utilização do FGTS para a quitação do imóvel.

63 – Como é feita a assessoria para fins de contratação de financiamento e qual seu objetivo?

A assessoria é efetivada por uma empresa especializada que auxilia no processo de análise de crédito, documental e jurídica, visando agilizar e assegurar a perfeita formalização dos contratos de crédito imobiliário, segundo os requisitos legais e normativos vigentes, além dos parâmetros e políticas estabelecidas pela instituição contratante.

64 – Quais os custos com um processo de repasse?

Os custos com o processo de repasse serão por conta do adquirente e incluem assessoria, emolumentos e imposto de transmissão do bem imóvel, ou seja, serão as mesmas despesas que teria após a quitação do preço, quando solicitasse a escritura definitiva, o ITBI, emolumentos de escritura e registro, que variam conforme o valor de cada imóvel.

65 – O que significa ITBI?

Trata-se do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis. Ele é cobrado pela Prefeitura sempre que há a transferência de propriedade de qualquer bem imóvel. Essa taxa varia de acordo com a cidade na qual o imóvel se encontra, e seu recolhimento é de responsabilidade do comprador.

Nota: Esperamos que essas informações sejam úteis e amplie os conhecimentos e cuidados que devemos ter ao comprar imóveis, seja na planta ou imóveis prontos. Recomendamos que tais transações sejam sempre acompanhadas por um Corretor de Imóveis devidamente habilitado para tal ou Imobiliária de sua confiança.


JUNHO/2016 - COMO ESCOLHER O MELHOR CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Como escolher o melhor crédito imobiliário

O financiamento de um imóvel é um investimento a longo prazo. Por isto, o ideal é que ele seja planejado com bastante antecedência. 

Verifique as taxas de juros, o tempo necessário para ser pago, observe se o banco ou a instituição financeira oferece algum plano de redução das parcelas, dentre outros fatores.

Tudo isso faz com que o processo ocorra de forma mais tranquila, e dentro do padrão de cada família ou investidor. Aproveite e acompanhe as principais dicas, que os especialistas em crédito imobiliário indicam: 

1. Jamais seja apressado ao escolher um plano de financiamento. Reflita com calma. Para contrair este tipo de débito, é necessário conhecer várias ofertas, bancos e todas as formas possíveis de pagamento (SAC, Tabela Price). 

2. Não ultrapasse a 25% de sua renda líquida. Existem alguns limites nos valores das prestações oferecidas pelos bancos; algumas, chegam a 30% ou 35% dos ganhos líquidos de uma pessoa, mas, o ideal é não comprometer mais de um quarto dos rendimentos da família. 

3. Escolha sempre o prazo mais curto para pagar o empréstimo imobiliário. Mesmo que passe alguns anos, este é o melhor investimento, mas, desde que se enquadre no requisito citado acima. O propósito é se livrar da dívida o quanto antes. 

4. Caso, em algum momento, receba uma quantia extra, não hesite em quitar a dívida ou algumas parcelas. Lembre-se que você investiu em algo de longo prazo, essencial para qualquer família. Mesmo que seja cobrada alguma taxa por adiantamento de valores, o valor que irá economizar de juros, compensa o sacrifício. 

5. Procure dar uma boa entrada em dinheiro, para diminuir o valor do financiamento. 


ABRIL/2016 - Avaliar o seu imóvel


ABRIL/2016 - Avaliar o seu imovel

Na hora de comprar ou mesmo vender um imóvel, fica sempre à dúvida em relação ao preço, e se este foi bem avaliado ou não.

A primeira providencia que se deve tomar é contratar um profissional devidamente habilitado pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis ou Corretora (Imobiliária) de Imóvel idônea.

No entanto, para que não haja dúvidas em relação à avaliação, é necessário observar certos aspectos, que vão desde a localização do imóvel até seu estado de conservação.

Outros detalhes, no caso de apartamentos, como área de lazer e quantidade de garagens, também são essenciais para se avaliar adequadamente uma unidade.

Em um mesmo edifício é possível encontrar apartamentos de preços variados, dependendo de sua posição. Andares mais altos são mais caros e se forem voltados para o sol da manhã, também possuem um acréscimo no valor.

A localização é o primeiro item observado na hora de se avaliar um imóvel. Não apenas o bairro onde está localizado se tem infraestrutura como padarias e escolas, se está de frente para o mar, mas também o posicionamento em relação ao sol e a altura que o apartamento está no edifício.

O acabamento e o estado de conservação do imóvel vêm em segundo lugar. Nesse caso, a idade do imóvel é importante, assim como o acabamento da fachada de um prédio. Imóveis mais conservados causam uma primeira impressão melhor do que se estivessem com a pintura gasta ou algum tipo de vazamento.

Uma recomendação é fazer os serviços básicos de manutenção antes de avaliar ou colocar o imóvel à venda. 

O comprador hoje é muito exigente e pode fazer o preço inicial cair por causa desses pequenos detalhes. O valor gasto na pintura de um apartamento de R$ 160 mil, por exemplo, não chega a 0,5% do preço do imóvel.

O terceiro fator na hora de estabelecer o preço de um imóvel usado são os complementos, como garagens, área de lazer e outros itens, como segurança, que fazem o diferencial na hora da avaliação.

Um imóvel pode valer até 10% a mais se tiver outra vaga de garagem. E até em 20% se possuir uma área de lazer completa, quando comparado com outro imóvel na mesma rua, com as mesmas características, mas que possua um lazer menor.

Porém, este item merece atenção redobrada, pois valores muito altos de condomínios em função da área de lazer podem depreciar o preço do imóvel.

Quando for verificar o preço para venda ou compra de um imóvel, o interessado também deve pesquisar os valores cobrados pelo metro quadrado na região utilizando sites especializados e jornais.


MARÇO/2016 - ATENÇÃO AO ALUGAR SEU IMÓVEL

MARÇO / 2016 - Atenção ao alugar seu imóvel - 

1- Pesquise: O primeiro passo na hora de alugar um imóvel é pesquisar sobre casas e apartamentos numa determinada região e então escolher uma administradora para isto. Antes de assinar o contrato, também é importante verificar a Lei 8.245/91, ou Lei do Inquilinato, que rege os direitos e deveres do locador e do locatário.

2- Fiança: Atualmente, o sistema mais utilizado ainda é a fiança, apesar da dificuldade de encontrar alguém disponível para assumir o risco. O fiador é uma terceira pessoa que se responsabilizará na ausência do pagamento do locatário.

3- Seguro-fiança: O seguro-fiança é um negócio no qual o contratante é intermediado por uma seguradora e fica isento de procurar um fiador ou depositar uma caução.

4- Título de Capitalização: O título de capitalização é um título de crédito, no qual o valor a ser depositado será definido pelo locador e pela imobiliária. É feita então a assinatura de um termo de autorização em que o dinheiro será revertido ao proprietário no caso de falta de pagamento do aluguel. O locador também pode usar os recursos no reparo de danos ao imóvel causados pelo inquilino.

FEVEREIRO/2016 - 21 DICAS PARA DECORAR APARTAMENTOS PEQUENOS

FEVEREIRO/2016-21 dicas para Decorar Apartamentos pequenos.

21 dicas para Decorar Apartamentos pequenos.

Atualmente, muitas pessoas optam por morar em apartamentos pequenos. 

Muitas vezes, porque ficam pouco tempo em casa ou, simplesmente, por uma questão de escolha: um espaço menor exige menos gastos, menos tempo para limpeza, costuma ficar mais facilmente organizado etc.

Porém, é geralmente na hora de se mudar para um apartamento pequeno que surgem dúvidas do tipo: devo optar por quais móveis? Como aproveitar melhor o espaço da minha sala? Como colocar tudo que preciso no meu quarto? 

Mas, não se preocupe! Com boas dicas você consegue aproveitar ao máximo o espaço do seu apartamento, deixando ele super organizado e funcional. Confira abaixo as orientações da designer de interiores Malu Goraieb: 

Sala. 

1. Opte por móveis modulares, flexíveis e leves. 

2. Evite móveis grandes e pesados. 

3. Mesas de centro podem ser estofadas e do mesmo tecido do sofá. “Elas podem ser usadas como puffs para apoiar os pés”, diz Malu Goraieb. 

4. “A TV pode ficar embutida em um painel na parede, assim sobra espaço, se tiver rack, para acomodar os aparelhos de home theater, DVD e outros equipamentos”, explica a designer de interiores. 

Quarto. 





5. Fixe a TV no armário. “Hoje existe essa possibilidade e é um sistema bem simples e muito útil. Então, dá para ter um armário maior e ocupar menos espaço com cômodas e prateleiras”, diz Malu Goraieb. 

6. As cabeceiras podem ser estofadas ou de painéis de MDF. 

7. Use arandela em vez de luminárias sobre o criado-mudo. “Assim fica mais espaço para acomodar livros, relógios e até pequenos mimos de decoração”, explica a designer de interiores. 

8. Evite cores escuras, porque elas dão a sensação de que o espaço é ainda menor. 

9. Opte por cores claras, tanto no piso quanto no teto. 

10. Use espelhos na frente do guarda-roupa ou na cabeceira, “pois podem dar uma boa sensação de amplitude”, explica Malu. 

Cozinha. 

11. Evite colocar o forno embutido embaixo do cooktop. “Ele pode esquentar as pernas enquanto cozinha e assa alguma coisa ao mesmo tempo”, explica Malu Goraieb. 

12. Opte por torres com forno e microondas embutidos, na altura da cintura para cima. 

13. Gavetões embaixo da pia são muito bem-vindos, pois acomodam muito bem panelas e deixam as coisas visivelmente mais fáceis de serem encontradas. 

14. Mas, se a cozinha for muito estreita, opte por portas de correr e prateleiras dentro. 

15. Opte por cores claras. 

16. Valorize a iluminação sobre a área da bancada da pia. 





17. Suporte para utensílios de cozinha na parede são superpráticos, “assim, os utensílios ocupam menos espaço nas gavetas”, diz a designer de interiores. 

Banheiro. 

18. Banheiros pedem boa iluminação, espelho sobre a bancada, prateleiras, box de vidro e tapetes emborrachados. 

19. Evite cores escuras também no(s) banheiro(s). 

20. Evite azulejos escorregadios. 

21. Em caso de banheiro para necessidades especiais, “use barras de apoio, evite desníveis no piso e garanta uma boa circulação do ar sempre”

Antes de começar a trabalhar na decoração de qualquer cômodo, é fundamental levar em consideração quantas pessoas vão morar no apartamento e quais são as prioridades de cada um. Tudo isso pode ser conversado com um profissional da área, que indicará as melhores soluções para cada caso. 


JANEIRO/2016-NOSSOS SERVIÇOS DA ADMINISTRAÇÃO DAS LOCAÇÕES

Nossos Serviços na administração das locações

*Avaliação do imóvel compatível com valor de mercado e avaliação periódica.
*Divulgação da locação no site, mobile site e aplicativo para iPad e colocação de placa. 
*Feedbacks aos proprietários sobre visitas e clientes interessados.
*Assistência jurídica.
*Análise cadastral dos interessados na locação, com consultas aos órgãos de crédito.
*Controle e renovação do seguro de incêndio.
*Controle e renovação do Seguro Fiança.
*Acompanhamento junto a seguradora dos processos e ou sinistros.
*Análise cadastral dos interessados na locação, com consultas aos órgãos de crédito.
*Elaboração do contrato de locação e vistoria do imóvel, mesmo quando locado por outra empresa.
*Emissão e controle de cobrança junto ao locatário.
*Controle e pagamento das despesas.
*Repasse de valores recebidos em até 3 dias úteis.
*Prestação de contas e informe de rendimento mensal, disponíveis aos clientes.
*Envio de informe de rendimento anual.
*Cotações para serviços de manutenção, mediante aprovação do proprietário (as taxas são cobradas sobre o valor pago ao prestador de serviço).
*Controle e renovação do seguro fiança e seguro incêndio.
*Acompanhamento junto à seguradora dos novos processos e/ou sinistros.
*Suporte completo dos processos de renovação e rescisão do contrato de locação.


DEZEMBRO/2015. NO CONDOMÍNIO NINGUÉM QUER SER O SÍNDICO. O QUE FAZER?

No condomínio ninguém quer assumir como síndico.O que fazer?

Neste momento temos as seguintes opções: Uma administradora pode ser contratada para desempenhar a função, ou pode-se contratar ainda um síndico profissional.Esta solução está de acordo com o Código Civil. O síndico não precisa ser necessariamente morador ou proprietário de uma unidade no prédio. Esta na lei no artigo: Art. 1.347 - A assembleia escolherá um síndico, que poderá não ser condômino, para administrar o condomínio, por prazo não superior a dois anos, o qual poderá renovar-se."
O síndico também pode passar parte de suas responsabilidades para uma empresa, com autorização da assembleia: Também no artigo 1.348 § 1o Poderá a assembleia investir outra pessoa, em lugar do síndico, em poderes de representação. § 2o O síndico pode transferir a outrem, total ou parcialmente, os poderes de representação ou as funções administrativas, mediante aprovação da assembleia, salvo disposição em contrário da convenção.

OUTUBRO/2015 - A IMPORTÂNCIA DO JUÍZO DIVISÓRIO NA ORDEM

JURÍDICA  PÁTRIO


Exclusivamente em terras particulares, como em condomínios, sempre foi terreno fértil para o surgimento de desavenças e demandas. A partir deste ponto, percebe-se a importância do juízo divisório na ordem jurídica pátrio, para garantir a paz social, decorrente de vários procedimentos,tendo como objetivo o fim da comunhão e atribuindo a cada condômino sua parte independente e proporcional ao seu direito na coisa em comum


SETEMBRO/2015 - ORIGEM DO TERMO SÍNDICO

Origem do termo síndico 

O termo ''sindicato'' deriva do latim syndicus, que é proveniente do grego sundikós, com o significado do que assiste em juízo ou justiça comunitária.


ABRIL/2015 - INSTITUIÇÃO DO CONDOMÍNIO

Instituição do Condomínio 

Institui-se o condomínio edilício por ato entre vivos ou testamento, registrado no Cartório de Registro de Imóveis, devendo constar daquele ato, além do disposto em lei especial:
I - a discriminação e individualização das unidades de propriedade exclusiva, estremadas uma das outras e das partes comuns;
II - a determinação da fração ideal atribuída a cada unidade, relativamente ao terreno e partes comuns;
III - o fim a que as unidades se destinam.


MARÇO/2015 - ASSESSORIA NA ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS

Assessoria na administração de imóveis

Assessoria na administração de imóveis revela que a empresa contratada pelo locador, ao administrar um imóvel, deve ter boa formação jurídica,que lhe permita entender sobre a legislação do inquilinato,os direitos da vizinhança, a tributação sobre imóveis e normas de conservação. A Advocato Administração de bens, está a disposição dos interessados oferecendo o melhor serviço neste campo em nossa cidade


JANEIRO/2015 - COMO ADQUIRIR UM IMÓVEL, SEM RECURSOS.

Como adquirir um imóvel, sem recursos.

Ao comprar o imóvel na planta, durante os 36 meses de obras, pagaria algo em torno de 20% do valor total da unidade. Restaria, portanto, cerca de 240 mil reais para ser quitado na entrega da obra.
O problema é que esse saldo devedor será corrigido pelo Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado (INCC-M). Levando em conta o índice dos últimos 12 meses, esse saldo pode atingir 285 mil reais em três anos.
Para financiar esse valor quem comprar terá que comprovar uma renda de 10 mil reais. O valor da primeira prestação, caso o financiamento seja pago durante 30 anos, será de cerca de 3 mil reais.
Já a opção de aplicar dinheiro na poupança permite que se possa organizar melhor sem assumir um compromisso financeiro. Ao depositar 1,5 mil reais por mês, após três anos terá cerca de 60 mil reais. Esse valor poderia ser utilizado para dar como entrada no financiamento de um imóvel, dependendo da renda do comprador.
O comprador sendo disciplinado para realizar o depósito todo mês, é melhor poupar. Caso não tenha disciplina para poupar, contratar um consórcio pode ser a melhor opção.
No consórcio (veja quais são as vantagens e desvantagens da modalidade de crédito), um grupo de pessoas paga parcelas mensais para ratear o valor do imóvel. Com o dinheiro de cada membro do grupo, é possível ser contemplado com uma carta de crédito a qualquer momento e, dessa forma, obter os recursos necessários para a compra do bem.
Ao contratar essa modalidade de crédito,o comprador é obrigado a realizar os pagamentos mensalmente. Se não for sorteado durante os próximos três anos, poderão utilizar recursos adicionais, como o saldo que eventualmente se tenha no FGTS, por exemplo, para realizar um lance e obter a carta de crédito antes do prazo final do contrato. Além disso, os pagamentos são corrigidos ao longo do tempo, o que mantém o poder de compra do adquirente, até o momento em que for contemplado com a carta de crédito.


NOVEMBRO/2014 - O MOMENTO É DE COMPRAR IMÓVEIS.

O momento é de comprar imóveis

Após o boom de vendas de imóveis registradas nos últimos anos no Brasil, o mercado imobiliário vem dando sinais de desaceleração. Em meio a crise político-econômica que o país atravessa, houve uma estabilização de preço e os estoques de unidades residências prontas cresceram nas principais cidades do país. 
Para correr atrás do prejuízo, as construtoras têm realizado saldões e leilões para tentar liquidar os estoques, com promoções que podem chegar a 40% de desconto. A boa notícia para o mercado imobiliário 2015 é que quem tiver dinheiro à vista pode conseguir boas oportunidades de negócios, aproveitando esse cenário de desaquecimento no momento, segundo especialistas no setor. Já para quem pretende financiar, a tendência de elevação de juros pode aumentar os custos das parcelas a serem quitadas.
Em São Paulo, o estoque de imóveis residenciais prontos é recorde, com mais 31 mil unidades à espera de comprador. Para se ter uma ideia, a média registrada na capital paulista é de 17 mil e no Rio de Janeiro, o número de estoque atual é de 11 mil. 


MAIO/2013 - ASSUNTO: CONDOMÍNIOS


A gestão planejada de Condomínios

Na Gestão Administrativa Imobiliária, inclusive na administração de condomínios, compete a nós, orientar e controlar os recursos dos condomínios com a finalidade de produzir os melhores resultados. A administração de condomínios é complexa devido a amplitude de problemas que fazem parte da sua rotina diária. A necessidade desses serviços à empresas passou a ser uma realidade para minimizar a quantidade de problemas de ordem legal, contábil e fiscal, o que exige maior profissionalização e melhoria na qualidade dos serviços prestados à comunidade. Afinal, para uma parcela importante da população, o imóvel se constitui no patrimônio de maior valor. E tudo o que o condomínio realizar, terá reflexo direta ou indiretamente na valorização ou não deste patrimônio.Somado a isto,também encontramos lotes em condomínios, que sempre foi um terreno fértil para o surgimento de desavenças. A partir deste ponto percebe-se, a importância do juízo divisório na ordem jurídica ,para garantir a paz social. Atribuindo a cada condômino sua parte independente e proporcional ao seu direito da coisa em comum.SÍNDICO


Como visto cabe ao síndico a administração do condomínio. Essa administração pode ser traçada na Convenção de Condomínio (art.1334,II do CC), porque a sua lista presente no diploma Civil não é taxativa. Isto explica porque o edifício pode apresentar particularidades que justificam estabelecer uma forma especial de administrar, envolvendo a autorização para praticar outros atos além dos legalmente previstos.


inovando na administração de condomínios em itaipava

Onde Estamos

Estrada União e Indústria nº 9.200 (Shopping Valley), Loja D9 e Sobreloja.

Itaipava - Petrópolis - RJ

Informações de contato

Telefone: (24) 2222-4795

WhatsApp: (24) 9.9318-3413

E-mail: vendas@advocatoimoveis.com.br

E-mail: aluguel@advocatoimoveis.com.br

desenvolvido por: uaal! agência web